ARTIGO @ Como conseguir medicamentos e tratamentos urgentes na justiça? - Observador Independente

BAHIA

9 de septiembre de 2018

ARTIGO @ Como conseguir medicamentos e tratamentos urgentes na justiça?

Crédito da foto / SMS / Divulgação     




Publicado por Tiago Adede y Castro



Normalmente, em razão do perigo de dano ao paciente, inclusive de morte, e pela necessidade de rapidez no fornecimento do tratamento médico, se faz o pedido de antecipação da tutela pretendida.

A antecipação de tutela também é chamada comumente de “medida liminar”. Esta decisão visa antecipar os efeitos da decisão que seria dada somente no final do processo, logo no início, sem mesmo ouvir a parte contrária. É decisão de urgência, que necessita ser rápida e eficaz.

Assim, obtendo um resultado positivo quanto ao pedido liminar, a prestação do tratamento é devida desde logo, no início do processo. A rapidez no julgamento dos pedidos de antecipação de tutela depende da comarca, em razão da quantidade de processos, e ainda, da complexidade do caso.

Após a concessão da medida liminar, inicia-se nova fase, que é a da concretização da entrega do tratamento médico. Se tratando de planos de saúde privados, tem-se maior facilidade no cumprimento da decisão liminar, pois, em grande maioria, as operadoras cumprem o determinado jucidialmente.

Quando se trata de Estado (município, estado e união), assim como das entidades gerenciadas pelo Estado (Ex. IPE saúde), o autor passa por maior dificuldade em concretizar o tratamento médico requerido. Em quase 100% dos casos, há necessidade de requerer bloqueio de valores das contas dos entes, para que se realize a compra de forma particular, juntando ao processo, necessariamente, três orçamentos diferentes, para que seja adquirido sempre no local mais barato, para preservar o patrimônio público.


O alto custo dos medicamentos faz com que o valor da causa (valor de referência atribuído ao processo, para cálculo de custas) também seja alto.

Porém, para aqueles considerados pobres, por avaliação concreta sobre a situação econômica da parte com o objetivo de verificar a sua real possibilidade de arcar com as despesas do processo, existe o benefício da justiça gratuita, onde não são cobradas as custas processuais.

Importante ressaltar que a gratuidade da justiça engloba apenas as custas processuais e honorários sucumbenciais (valor pago ao final do processo ao procurador do vencedor), não englobando honorários contratuais. Para assistência judiciária gratuita, o necessitado deve procurar a Defensoria Pública, ou Assistência Judiciária das universidades de direito, serviço considerado obrigatório pelo MEC a toda o curso de direito.

Ana Paula Adede y Castro (OAB/RS 106.730) é advogada no escritório Adede y Castro Advogados Associados e especialista em Direito Médico pela Universidade Luterana do Brasil.


Tiago Adede y CastroPRO / Adede y Castro Advogados Associados
https://www.adedeycastro.com.br/ Sou advogado, desde 2015, inscrito na OAB/RS 96.782, e sócio no escritório Adede y Castro Advogados Associados. Atualmente trabalho com assessoria jurídica em âmbito judicial e administrativo, atendendo, na maioria das vezes, pessoas físicas e empresas de pequeno porte. Atuo, com mais frequência, em causas cíveis.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas