LAURO DE FREITAS @ Após construção da Via Metropolitana, Quilombo Kingoma sofre ataques, denunciam grupos - Observador Independente

BAHIA

14 de septiembre de 2018

LAURO DE FREITAS @ Após construção da Via Metropolitana, Quilombo Kingoma sofre ataques, denunciam grupos

Crédito da foto : Divulgação Quilombo Kingoma 




O Quilombo Kingoma, localizado em Lauro de Freitas, na região metropolitana de Salvador, tem sofrido diversos ataques desde a construção da Via Metropolitana. O ataque mais recente ocorreu nesta quinta-feira (13). A denúncia foi feita por meio de nota divulgada pelo Movimento Aquilombar e o Movimento Nacional Quilombo Raça & Classe, filiado à CSP Conlutas.

“Repudiamos o ataque à casa de Dona Ana, liderança do quilombo. Desde 2013, com início das obras da Via Metropolitana, o Quilombo Kingoma vem resistindo aos ataques do governo da Bahia. Para que a obra fosse implementada, o governo invadiu as áreas do quilombo, destruiu uma enorme área de reserva florestal, derrubou árvores centenárias e sagradas para a ancestralidade quilombola e matou nossos rios e fontes de água”, diz trecho da nota.

Ainda segundo os grupos, todos os fatos ocorreram sem diálogo com a comunidade. “Ao contrário, a peso de muitas ameaças e perseguições. Há cinco anos, Dona Ana teve sua casa invadida, todos os móveis quebrados e colocaram uma arma de fogo na cabeça de seu esposo. Na madrugada de hoje, tentaram invadir novamente a casa de Dona de Ana, tentaram derrubar a porta com chutes e empurrões. Derrubaram as cercas e portões. Esse ataque acontece três dias depois de realizarmos a Marcha da Resistência do Kingoma. Meses atrás, derrubaram as cercas, mataram os cachorros, os porcos e o jumento. Colocaram gados dentro da roça de Dona Ana para comer suas plantações. As perseguições são permanentes”, relatam na nota.

Os grupos relatam que após abertura da rodovia, aumentou a pressão das construtoras, junto com o governo do Estado e a prefeitura de Lauro de Freitas para diminuir as terras do quilombo para a construção de um bairro novo. Hoje, 578 famílias vivem em uma área de 1.284 hectares. O governo quer reduzir a área para apenas 300 hectares, área que não engloba nem 200 famílias.

“Dona Ana e o povo de Kingoma sofrem perseguições porque não se curvam mediante a estes ataques. Não vamos nos curvar a estes senhores que há séculos nos escravizam e nos matam. Os governos do PT agem da mesma forma que velha direita contra o povo quilombola. Mas nós vamos seguir em pé e em luta contra qualquer governo que seja. Enquanto um de nós estiver vivo, haverá luta”, protestam.

Leia a nota na íntegra:

Repudiamos o ataque à casa de Dona Ana, liderança do Quilombo Kingoma, e nos solidarizamos com a luta do povo de Kingoma

O Movimento Aquilombar e o Movimento Nacional Quilombo Raça & Classe (filiado à CSP Conlutas) repudiam o ataque ocorrido na madrugada de hoje, 13 de setembro de 2018, à casa da Dona Ana, liderança do Quilombo Kingoma.

Desde 2013, com início das obras da Via Metropolitana, o Quilombo Kingoma vem resistindo aos ataques do governo da Bahia. A estrada, que liga a Rodovia CIA-Aeroporto (BA-526) e a Estrada do Coco (BA-099) nos municípios de Lauro de Freitas e Camaçari, teve início no governo de Jacques Wagner e foi concluída no governo de Rui Costa, ambos do PT. Para que a obra fosse implementada, o governo invadiu as áreas do quilombo, destruiu uma enorme área de reserva florestal, derrubou árvores centenárias e sagradas para a ancestralidade quilombola e matou nossos rios e fontes de água.

Tudo isso foi feito sem nenhum diálogo com a comunidade. Ao contrário, a peso de muitas ameaças e perseguições. Há cinco anos, Dona Ana teve sua casa invadida, todos os móveis quebrados e colocaram uma arma de fogo na cabeça de seu esposo. Na madrugada de hoje, tentaram invadir novamente a casa de Dona de Ana, tentaram derrubar a porta com chutes e empurrões. Derrubaram as cercas e portões. Esse ataque acontece três dias depois de realizarmos a Marcha da Resistência do Kingoma.

Meses atrás, derrubaram as cercas, mataram os cachorros, os porcos e o jumento. Colocaram gados dentro da roça de Dona Ana para comer suas plantações. As perseguições são permanentes.

Toda essa pressão é feita porque o povo de Kingoma resiste e luta em defesa do seu território, de sua história e de suas vidas. Com a abertura da rodovia, aumentou a pressão das construtoras, junto com o governo do Estado e a prefeitura de Laura de Freitas (vale ressaltar que a prefeita Moema Gramacho também é do PT) para diminuir as terras do quilombo para a construção de um bairro novo. Hoje, 578 famílias vivem em uma área de 1.284 hectares. O governo quer reduzir a área para apenas 300 hectares, área que não engloba nem 200 famílias.

Dona Ana e o povo de Kingoma sofrem perseguições porque não se curvam mediante a estes ataques. Não vamos nos curvar a estes senhores que há séculos nos escravizam e nos matam. Os governos do PT agem da mesma forma que velha direita contra o povo quilombola. Mas nós vamos seguir em pé e em luta contra qualquer governo que seja. Enquanto um de nós estiver vivo, haverá luta.

Não arredaremos um só passo na defesa do Kingoma. A vida da Dona Ana e do nosso povo está ameaçada. Desde já colocamos a responsabilidade direta nas mãos do governo do Estado e da prefeitura de Lauro de Freitas. Se alguma coisa acontecer à vida de Dona Ana e de outros quilombolas a responsabilidade é destes senhores.

Movimento Aquilombar e Movimento Nacional Quilombo Raça & Classe, filiado à CSP Conlutas

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas