SALVADOR @ 'Estavam esperando por ele', diz tio de economista morto durante perseguição policial - Observador Independente

BAHIA

28 de septiembre de 2018

SALVADOR @ 'Estavam esperando por ele', diz tio de economista morto durante perseguição policial

Vítima tinha 42 anos — Foto: Reprodução/Redes Sociais





No dia 20 de setembro, o economista e empresário espanhol Márcio Pérez, de 42 anos, foi morto a tiros por policiais militares durante uma perseguição na Avenida Simón Bolívar, no bairro do Costa Azul, em Salvador. De lá para cá, a família do rapaz tem batalhado para buscar explicações para o crime que, até então, ainda não foi desvendado pela polícia.

A família discorda da versão de que a morte de Márcio foi causada por um acidente, tese reforçada pelos policiais militares envolvidos no caso em depoimento e que consta no primeiro relatório da autópsia que a família recebeu. O tio do rapaz, o espanhol José Antonio Santana, afirmou, em entrevista ao jornal La Voz de Galicia, que foi cedida ao site G1, que "está mais do que claro que Márcio foi assassinado".

Isso [a versão dos policiais] é impossível. Ele era esperado e ele foi baleado três vezes. Nos falta a razão, mas que Márcio foi assassinado é mais do que claro, 

afirmou José.

O tio da vítima contou, ainda, que, segundo vídeos aos quais a família teve acesso, Márcio, que estava de carro, desceu por uma rua movimentada e virou-se para entrar na garagem. De lá, ele passou por um trecho deserto, quando avistou um carro que ele achou suspeito, mas que era a viatura onde estavam dois policiais.

"Talvez ele achasse que ia ser agredido, então ele tentou voltar para a rua larga para que ele não parasse por aí. Mas ele foi baleado. Mesmo quando ele foi ferido em um braço, ele virou para a rua tentando se salvar. Eles deram mais dois tiros, um deles no pescoço", contou o tio de Márcio.

José Antonio Santana, tio materno de Márcio Pérez — Foto: Oscar Vázquez/La Voz de Galicia


O tio do rapaz questiona, ainda, o fato de a mulher que estava no carro junto com Márcio, que não teve a identidade revelada, ter escapado da cena do crime sem ferimentos.

As marcas dos tiros no carro estão todas no lado esquerdo [do motorista], para onde ele estava indo. Os amigos viram várias marcas do lado dele e nenhuma marca de tiro do lado em que ela estava. Não sabemos nada sobre essa mulher, 

disse José.

No local, carro mostra perfuração de bala no encosto da cabeça do motorista
Foto: Jony Torres/TV Bahia


Os pais de Márcio, que moram na Espanha, souberam da morte do filho por meio de informações de uma amiga de infância de Márcio. "A polícia matou seu filho", dizia a mensagem que ela enviou à mãe do economista, via Whatsapp. No dia seguinte, a mãe e outros familiares do rapaz viajaram a Salvador para providenciar o translado do corpo.

Na capital baiana, o corpo de Márcio foi velado e, em seguida, levado à cidade de Ponte Caldelas, na província de Pontevedra, onde ele nasceu, para ser sepultado, na última terça-feira (25).

Corpo de Márcio Perez foi enterrado nesta terça-feira (25), na Espanha
Foto: Emilio Moldes / La Voz de Galicia


Investigação

Ao receber o relatório da autopsia, que mostrava que Márcio havia morrido após um acidente, a família iniciou uma batalha para conseguir que constasse no documento que o economista havia morrido após lesão cerebral traumática causada por uma arma de fogo.

A causa da morte foi alterada, no entanto, a motivação do crime ainda é desconhecida. A suspeita da família de que Márcio foi vítima de um homicídio é sustentada, também, pelo promotor de Justiça Davi Gallo, um dos representantes do Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) designados pela Procuradoria-Geral do Estado para atuar no inquérito policial que investiga a morte do economista.

Em entrevista concedida à TV Bahia, na terça-feira (25), ele afirmou que há pontos levantados pela investigação policial que precisam ser esclarecidos:

Segundo relatos, a abordagem foi feita com o giroflex - as luzes da viatura - desligadas. A notícia que foi levada ao hospital foi a de que tratava-se de um acidente, mas não foi um acidente. O médico constatou que ele foi alvejado na nuca. Tem coisas que têm que ser esclarecidas,

afirmou Davi Gallo.

Gallo questiona, ainda, o fato de os policiais envolvidos no caso estarem tão distantes da localização de sua companhia e da guarnição ter dois policiais - geralmente, as guarnições são compostas por três policiais.

O caso é investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e pela Corregedoria da Polícia Militar. Os policiais envolvidos na situação foram afastados das ruas. Procurada, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA) segue sem comentar a investigação.
Carro ficou destruído por dentro, depois de capotamento — Foto: Jony Torres/TV Bahia



Vítima

Márcio Perez Santana tinha 42 anos, era formado em economia e trabalhava prestando consultoria para empresas de telefonia. Ele era separado e deixou duas filhas, de 13 e 9 anos. A filha mais velha descobriu a morte do pai pelas redes sociais.

A ex-mulher de Márcio, que não quis ser identificada, disse que a morte repentina do economista deixou amigos e familiares muito tristes. "Foi devastador. A gente nunca espera que aconteça isso. Marcelo era um homem bom, não tinha problemas com ninguém. Ele era pacato, atencioso com as filhas, amoroso, uma ótima pessoa", afirmou.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.
O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.
VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas