SALVADOR @ Uma das mais importantes construções sacras do Brasil Colonial, Catedral Basílica de Salvador é entregue após restauração - Observador Independente

BAHIA

14 de septiembre de 2018

SALVADOR @ Uma das mais importantes construções sacras do Brasil Colonial, Catedral Basílica de Salvador é entregue após restauração

Crédito da imagem : Jornal da Manhã / TV Bahia  



Templo religioso fica no Centro Histórico de Salvador e o investimento na reforma foi de R$17,8 milhões do Governo Federal. Abertura oficial ocorre no final da tarde desta sexta-feira.


Uma das mais importantes construções sacras do Brasil Colonial, Catedral Basílica de Salvador será entregue nesta sexta-feira (14) após restauração. Localizado no Centro Histórico da capital baiana, o símbolo da arte sacra e da arquitetura religiosa no Brasil será aberto a partir das 17h.

A intervenção contempla a restauração dos bens integrados, das imagens sacras, além da requalificação dos espaços internos e diversos outros serviços de conservação do monumento.

Entre os destaques da intervenção estão a restauração das treze capelas, incluindo toda a imaginária sacra, a restauração do átrio, de toda a fachada principal em cantaria e das torres de azulejos.

Segundo o Iphan, o templo possui também um acervo de grande valor, com telas de diversos autores seiscentistas, móveis em jacarandá e diversos objetos sacros em ouro e prata.

A catedral foi restaurada com recursos de mais de R$17,8 milhões do Governo Federal, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A obra de restauração foi executada pelo Iphan, com o apoio da Arquidiocese de São Salvador da Bahia, da Prefeitura Municipal de Salvador e do Governo do Estado da Bahia.

O evento de entrega da Basílica de Salvador, que vai acontecer a partir das 17h desta sexta-feira, terá a presença da presidente do Iphan, Kátia Bogéa, o diretor do Departamento de Projetos Especiais do Iphan, Robson de Almeida, o superintendente do Iphan na Bahia, Bruno Tavares, o arcebispo de Salvador e primaz do Brasil, Dom Murilo Krieger, e os ministros Sergio Sá Leitão, da Cultura; Vinicius Lummertz, do Turismo; e Ronaldo Fonseca, da Secretaria Geral da Presidência da República.
Catedral Basílica de Salvador é reaberta nesta sexta-feira — Foto: Reprodução/TV Bahia


Descobertas

Durante a restauração, debaixo do altar-mor da Catedral Basílica, sob uma lápide de mármore, foi encontrada uma escadaria que levava a uma antiga catacumba. Já no interior de uma das capelas, ossadas foram descobertas, incluindo 13 crânios humanos.

Também foram encontradas pinturas originais nas paredes e peças sacras, que revelaram quadros com imagens de santos jesuítas escurecidos pelo tempo e até purpurina nas áreas revestidas de ouro. Na capela do Santíssimo foram recuperados diversos elementos com folhas de prata, que estavam encobertas por camadas de repintura.

O altar-mor é uma das preciosidades que prometem encantar fiéis e visitantes, segundo o Iphan. Fechado por anos, devido a uma obra anterior inacabada, ele também será reaberto, completamente restaurado.

Outros 30 bustos relicários das Virgens e Santos Mártires retornam à igreja, depois de mais de 15 anos sob a guarda do Museu de Arte Sacra, que agora os devolveu restaurados. Já os elementos dourados, utilizados em várias partes do templo, foram recuperados com folhas de ouro importadas de Florença, na Itália.

A obra também permitiu que a Basílica de Salvador se renove, com a instalação de modernos equipamentos de sonorização, sistema de prevenção e combate a incêndio e segurança patrimonial. Todo esse trabalho foi realizado por uma equipe multidisciplinar, formada por mais de 120 profissionais, que mesclou a utilização de técnicas e materiais tradicionais e contemporâneos.

História

A Catedral Basílica de Salvador é considerada uma das igrejas mais importantes da Bahia. Monumento do século XVII, foi o quarto templo construído pelos jesuítas na capital baiana, entre 1652 e 1672, e é o último remanescente do conjunto arquitetônico do Colégio de Jesus.

Com projeto arquitetônico do irmão Francisco Dias, possui 13 altares, sendo os dois primeiros construídos em estilo renascentista maneirista. A fachada é toda em pedras de lioz, importadas de Portugal, e os nichos sob as portas representam Santo Inácio de Loyola, São Francisco Xavier e São Francisco de Borja.

Com a saída dos jesuítas do país, a igreja foi abandonada e chegou a ser utilizada como hospital militar e a primeira Escola de Medicina do Brasil, instalada ali em 1833. Ainda em 1938, a igreja foi tombada individualmente pelo Iphan e a proteção inclui também todo o seu acervo.



g1bahia
AVISO: os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.
É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso.

Paginas