ITAGIBÁ @ Justiça Federal determina apuração de improbidade administrativa contra prefeito - Observador Independente

BAHIA

4 de octubre de 2018

ITAGIBÁ @ Justiça Federal determina apuração de improbidade administrativa contra prefeito

Crédito da foto : Reprodução Redes Sociais 




A juíza federal Karine Costa Carlos Rhem indeferiu recurso do prefeito de Itagibá, Gilson Fonseca e determinou apuração de improbidade administrativa contra o prefeito Gilson Fonseca, de Itagibá, interior da Bahia, por supostas irregularidades na gestão passada, referente a operação “Carcará”.

A referida operação foi deflagrada pela Polícia Federal em conjunto com a Controladoria Geral da União(CGU) a fim de desarticular organização criminosa que desviava recursos públicos destinados à compra de merenda escolar, compra de medicamentos e execução de obras em municípios baianos, entre eles o município de Itagibá para adoção de medidas cabíveis no tocante às supostas até então irregularidades.

"Inicialmente, reitero a competência da Justiça Federal para processar e julgar o presente feito. Não vislumbro motivo para o encerramento prematuro da presente ação", afirmou a juíza. "Isto porque, considerando os objetivos que permeiam as normas jurídicas regentes da ação de improbidade administrativa, a sua rejeição de pronto se constitui medida marcada pela excepcionalidade, por apenas admitir guarida quando evidenciada a inexistência do ato de improbidade, a improcedência da ação ou a inadequação da via eleita", complementou.

"Sobre os indícios do envolvimento dos réus nos fatos citados cabe referir que GILSON FONSECA, ex-prefeito, ANA CLÁUDIA, ex-secretária de saúde, ADRIANA MARIA, ex coordenadora de saúde e NÍVEA SALES, ex-coordenadora de compras, eram os responsáveis diretos pela gestão dos recursos em destaque e/ou dos medicamentos adquiridos, gerando forte suspeita do conluio para a prática dos ilícitos já descritos", destacou a juíza na sentença.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas