PETROLINA @ HDM/IMIP INFORMA O QUE FAZER EM CASO DE MORDIDA DE PIRANHA - Observador Independente

PETROLINA @ HDM/IMIP INFORMA O QUE FAZER EM CASO DE MORDIDA DE PIRANHA

Compartilhar
Crédito da foto :: Anna Monteiro-Hospital Dom Malan Imip / Divulgação    




Casos de "ataques" de piranha voltaram a ser registrados pela imprensa local. Como grande parte da população ribeirinha utiliza as águas do Velho Chico para o lazer, principalmente nessa época de proximidade do verão, o Hospital Dom Malan/IMIP de Petrolina informa o que fazer em caso de mordidas dessa espécie.

De acordo com especialistas, os ataques de piranha são incomuns, tendo registros quase que restritos ao período que vai de fevereiro a maio, época de desova da piranha branca, endêmica na região. O ataque, no entanto, não tem fins de alimentação, mas de proteção dos ovos e filhotes de possíveis predadores maiores.

Segundo informações divulgadas pelo Diário de Pernambuco, piranhas jovens alimentam-se de camarões e insetos, enquanto as adultas possuem preferência por peixes menores. Carne humana, portanto, não faz parte do "cardápio" do animal. Então, o normal é acontecer duas ou menos mordidas, para assustar e fazer a pessoa sair de perto dos ovos.

Em caso de "ataque", o banhista deve sair imediatamente da água, lavar o ferimento com água em abundância e tentar estancar o sangue. Em seguida deve dirigir-se ao serviço de saúde de referência, que no caso das crianças é o Hospital Dom Malan. "As mordidas das piranhas não liberam nenhuma substância tóxica, mas é importante fazer o curativo para inibir inflamações", ressalta a diretora médica do HDM Tatiana Cerqueira.

Para prevenir acidentes, o Corpo de Bombeiros orienta que os banhistas devem evitar lugares com águas calmas e turvas, além de locais onde se encontra vegetação às margens do rio.




Anna Monteiro-Hospital Dom Malan Imip

Post Bottom Ad

VivaABahia