BRASÍLIA @ TCU determina que OAB preste contas ao tribunal a partir de 2020 - Observador Independente

BAHIA

7 de noviembre de 2018

BRASÍLIA @ TCU determina que OAB preste contas ao tribunal a partir de 2020

Crédito da foto :: Diário da Paraiba / Reprodução    




O Tribunal de Contas da União (TCU) determinou, nesta quarta-feira (7), que a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) passe a prestar contas de suas finanças à Casa, a exemplo de outros órgãos federais e estaduais e conselhos federais. Os ministros decidiram que a fiscalização deve vigorar com base nos atos praticados a partir de 2020.

Para o presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, a Ordem não está obrigada a ser submetida ao TCU e destacou que a decisão administrativa da corte de fiscalização não se sobrepõe ao julgamento do Supremo Tribunal Federal (STF) que a entidade de classe dos advogados "não integra a administração pública nem se sujeita ao controle dela". Em 2006, o Supremo definiu que a OAB não pode ser considerada um órgão público.

“A OAB, que não é órgão público, já investe recursos próprios em auditoria, controle e fiscalização, sendo juridicamente incompatível gastar recursos públicos, hoje tão escassos, para essa finalidade. A decisão do TCU não cassa decisão do STF, logo não possui validade constitucional", escreveu o presidente em nota.

O relator do processo no TCU, ministro Bruno Dantas, argumentou que a OAB deve ser "a primeira a servir de exemplo e apresentar uma gestão transparente". Ele avaliou que a Ordem, como qualquer conselho profissional, deve estar sujeita ao controle público. Dantas ainda citou que a entidade dos advogados arrecada mais de R$ 1 bilhão com anuidade e com a aplicação de exames.

“O momento em que nós vivemos é de uma sociedade que exige cada vez mais transparência das instituições. A consolidação do estado democrático de direito e a efetivação do princípio republicano estão intimamente ligadas a essa transparência e à accountability pública”, analisou o relator.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.

O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.

VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas