ARTIGO – O INDULTO QUE ENVERGONHA A NAÇÃO! - Observador Independente

BAHIA

3 de diciembre de 2018

ARTIGO – O INDULTO QUE ENVERGONHA A NAÇÃO!

Crédito da imagem :: Folha Centro Sul   




Concluo feliz um giro pelas capitais nordestinas da Paraíba e Pernambuco, impressionado pela beleza e desenvolvimento das cidades de João Pessoa e Recife, bem à frente do que conheci alguns anos atrás, apesar do caos do trânsito, principalmente em Recife. Esse, porém, é um detalhe comum nas grandes cidades e capitais do país, por mais que os seus gestores invistam muito na mobilidade urbana, em decorrência da enorme quantidade de veículos em circulação. Uma particularidade chamou a atenção, que é a forte tendência pelo crescimento verticalizado das cidades, principalmente em João Pessoa, onde há prédios de até 52 andares, e cuja área já é classificada como a “Dubai Paraibana”! Resta ver se na área da educação, saúde e segurança existem os mesmos motivos para a comparação! Numa forma hilariante de avaliar a situação, ouvimos que esse programa na construção civil está mais para o “Minha Casa, Minhas Dívidas” do que para o similar oficial conhecido como “Minha Casa, Minha Vida”! 

Um giro dessa natureza permite a percepção de que há um fato novo envolvendo as pessoas, ou seja, um sentimento mais ameno na expectativa quanto ao novo governo eleito, o que não significa uma antecipada aprovação ou precipitada rejeição, seja daqueles que o elegeram ou mesmo dos que têm uma posição ideologicamente contrária, o que, obviamente, deve ser respeitado. Diga-se de passagem, estão de olho nele sim, e as cobranças não serão poucas, face as promessas.

É visível que há uma natural e momentânea acomodação no que tange às nervosas cobranças pós-eleitorais, diante da compreensão de que está em andamento um processo de transição de comandos e de criação de novas equipes de trabalho para a substituição de uma grande estrutura do governo que sai, e a formação complexa do que entra. A observação passa o entendimento de que a paciência da população quanto às efetivas medidas de governo, contudo, tem um tempo definido em mês e hora para tolerar a espera do perfil dessas decisões e quais os efeitos positivos que virão produzir na correção dos rumos do país. Vencido esse tempo, as manifestações certamente ocorrerão, e isso faz parte do sistema democrático.

A grande dúvida que paira no ar, é se haverá uma convivência coerente e patriótica entre os poderes da Nação - Legislativo, Judiciário e Executivo – visando a reconstrução dos caminhos perdidos da integridade, do respeito e da honestidade, além dos valores éticos e morais que foram jogados no lixo. As decisões de cada segmento de poder não podem estar fundamentadas unicamente nos interesses pessoais e corporativos dos seus integrantes, mas alinhadas com os objetivos maiores do país. Somente com o restabelecimento da honradez e da decência nos atos e atitudes dessas lideranças institucionais, é que a confiabilidade da população poderá ser reconquistada. É dito isso porque, não basta somente o Presidente querer, nós sabemos disso e ele mais que ninguém sabe. Mas, mesmo assim, deita falação todos os dias.

O tema que excitou as preocupações gerais durante a semana que passou, prendeu-se ao julgamento pelo STF se revoga a liminar que suspendia parte do indulto de condenados editado pelo Presidente Temer. A decisão parcial do STF surpreendeu a sociedade brasileira, visto que o Tribunal tem por tradição regimental suspender a votação quando ocorre o “Pedido de Vista” por parte de algum Ministro, e ainda assim o Presidente Dias Toffoli desconheceu esse direito e insistiu em continuar ouvindo o voto do Ministro Celso de Melo, com o qual se atingiu o total de 6 x 2.

Com esse total de votos o STF se alinhou ao entendimento político da Presidência da República de indultar pessoas que foram julgadas como culpadas, contrariando o próprio esforço do Judiciário, através da Lava Jato, de promover uma operação de limpeza e recuperação da dignidade perdida, virando as costas ao clamor nacional contra a libertação de condenados por crimes contra o erário público!

De outra parte, o Poder Legislativo votou recentemente a concessão de aumento ao Poder Judiciário, em índices que superam toda a realidade que atinge as classes de trabalhadores e servidores em geral. Esse julgamento pelo Judiciário ao favorecer a soltura de políticos presos, por ato da Presidência da República, planta a suspeição, triste e inimaginável, de um cordial reconhecimento ou favorecimento entre os Poderes! Vergonhosa realidade! 



Autor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público - Aposentado do Banco do Brasil (Salvador-BA).

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.
O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.
VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas