BRASÍLIA @ MAIS UM ESCÂNDALO PETISTA # Ministério Público entra com ação de improbidade contra Jaques Wagner por nomeação nos EUA - Observador Independente

BAHIA

1 de diciembre de 2018

BRASÍLIA @ MAIS UM ESCÂNDALO PETISTA # Ministério Público entra com ação de improbidade contra Jaques Wagner por nomeação nos EUA

Crédito da foto :: Guanambi FM / Reprodução    



Ex-governador da Bahia, Jaques Wagner é alvo de ação de improbidade administrativa.


A Procuradoria da República em Brasília entrou com ação civil de improbidade administrativa contra o ex-ministro da Defesa Jaques Wagner, senador eleito pela Bahia, por suposta atuação indevida em nomeação no ano de 2015, quando ocupava o ministério do governo Dilma Rousseff.

Conforme o Ministério Público, Wagner atuou para a nomeação do segundo-tenente músico do Exército Jeferson da Silva Figueiredo, marido da ex-ministra Ideli Salvatti, para um cargo do governo brasileiro em Washington (EUA).

A função seria ajudante da Subsecretaria de Serviços Administrativos e de Conferências na Junta Interamericana de Defesa, com jornada semanal de 32 horas, pagamento mensal de U$ 7,4 mil (cerca de R$ 28 mil na cotação atual) e mais ajuda de custo para transferência de R$ 40 mil.

A ação foi procotocolada em março, quando a 3ª Vara da Justiça Federal notificou o ex-ministro a apresentar esclarecimentos em 15 dias. Em julho, a juíza Kátia Ferreira mandou novamente notificar o ex-ministro para enviar as informações em quatro endereços (dois em Salvador, um em Brasília e um em Santo André), mas, segundo o processo, ainda não houve apresentação de uma defesa preliminar.

Somente após a defesa inicial, a 3ª Vara vai analisar se recebe a inicial, transformando o ex-ministro em réu, ou se rejeita a ação e arquiva o caso.

Em nota, a assessoria de Jaques Wagner afirmou que vê com "estranhamento" a notícia repercutida neste sábado sobre a ação, que é de março de 2018 e na qual o senador eleito ainda não foi notificado. "Não há nenhum fato novo neste processo e a defesa de Jaques Wagner só se manifestará sobre a denúncia após recebê-la", afirmou a assessoria.

Conforme a nota, trata-se de "notícia requentada" para "confundir a opinião pública e desgastar a imagem de um político sobre o qual não há nenhuma condenação". (Veja a íntegra da nota ao final da reportagem).

O MP pede, além da condenação por improbidade de Jaques Wagner e do músico, ressarcimento ao erário, perda da função pública e suspensão dos direitos políticos por cinco anos e pagamento de multa, cujo valor não foi especificado e pode ser definido ao final da ação caso haja condenação.

Argumentos

Para o MP, a nomeação desrespeitou "os princípios administrativos de moralidade, impessoalidade e eficiência". Isso porque ele foi indicado a pedido de Ideli e por influência de Wagner. Além disso, a Procuradoria argumenta que ele não tinha qualificação correspondente para a vaga, já que a nomeação de militares no exterior passa por "rigoroso processo de seleção seguindo critérios objetivos e do interesse nacional".

"Trata-se de infração grave contra a ética e moralidade administrativa, uma vez que não possui fundamento em qualquer critério seletivo de justiça ou de competência, e sim na voluntariedade em se atender pedido de autoridade ou de correligionário partidário, que é pior", diz a ação.

No documento, o MP diz que a nomeação ocorreu em agosto de 2015 e foi noticiada por órgãos de imprensa, chegando à análise do Tribunal de Contas da União, que viu irregularidades e repassou o caso à Procuradoria de Brasília. Quando analisou o caso, o TCU propôs multa de R$ 58 mil a Wagner e inabilitação para cargo de confiança por seis anos.

Leia a íntegra da nota de Jaques Wagner:

"NOTA DE JAQUES WAGNER:

'A assessoria do ex-governador e senador eleito Jaques Wagner manifesta seu estranhamento com notícia repercutida hoje pela mídia local e nacional que volta a abordar uma ação judicial de março de 2018, a qual a defesa do senador eleito até hoje, oito meses após, jamais foi notificada, ao contrário do que está sendo divulgado.

Não há nenhum fato novo neste processo e a defesa de Jaques Wagner só se manifestará sobre a denúncia após recebê-la.

Porém merece destaque que este processo antigo vire notícia agora, sem nenhuma novidade e com informações inverídicas. É lamentável que a assessoria do senador eleito não tenha sido procurada antes da publicação, como preza o bom jornalismo, e tenha a oportunidade de se manifestar somente após a veiculação de mais uma notícia requentada que tem o único objetivo de confundir a opinião pública e desgastar a imagem de um político sobre o qual não há nenhuma condenação.

Salvador, 1 de dezembro de 2018.

Bruno Monteiro
Coordenador de Comunicação
Senador eleito Jaques Wagner (PT-BA)"

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.
O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.
VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas