CAMAÇARI @ Suspeita de cobrar propina para liberar obras, ex-secretária é denunciada por improbidade administrativa - Observador Independente

BAHIA

8 de diciembre de 2018

CAMAÇARI @ Suspeita de cobrar propina para liberar obras, ex-secretária é denunciada por improbidade administrativa

Juliana Paes, ex-secretária acusada pelo MP de liderar quadrilha que cobrava propina para liberar obras na Bahia — Foto: Reprodução/Bocão News / Reprodução



Juliana Paes foi secretária do município até abril deste ano, quando foi exonerada e em seguida, recebeu cargo de assessora especial.


O Ministério Público do Estado (MP-BA) ofereceu denúncia de improbidade administrativa contra Juliana Franca Paes, assessora especial de Camaçari, na região metropolitana de Salvador, e outras seis pessoas. A ação foi recebida pelo Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) na última terça-feira (4) e os envolvidos vão responder ao processo.

O portal tentou, mas, até esta publicação, não conseguiu contato com Juliana Paes. Conforme apontam as investigações do MP-BA, ela é suspeita de liderar uma quadrilha que cobrava propina para liberar a execução de obras no município.

O marido de Juliana e outras cinco pessoas, a maioria delas servidores públicos municipais, também respondem ao processo por serem suspeitas de integrar o mesmo grupo. Eles foram denunciados em 8 de fevereiro por associação criminosa, corrupção passiva e peculato.

A assessora foi secretária municipal de Desenvolvimento Urbano da mesma cidade onde atua e foi exonerada em abril deste ano, após uma reforma administrativa feita pela prefeitura. Na época, Juliana disse que a exoneração não estava relacionada com a acusação do Ministério Público, que segundo ela, não foi provada.

Na decisão pelo recebimento da ação, o juiz César Borges de Andrade afirma que foram demonstrados pelo MP "indícios contundentes da prática de improbidade administrativa".

Ainda de acordo com a ação, o marido da secretária mantinha, dentro da secretaria, uma sala na qual apresentava-se como servidor público recebia empresários para negociar a expedição de alvarás para construção de empreendimentos imobiliários, sob a contrapartida de pagamentos de propina que, em alguns casos, chegou ao valor de R$ 150 mil.

Denúncias

Segundo o promotor de Justiça Everardo Yunes, Juliana Paes e o marido chefiavam a quadrilha que exigia propinas de empresas e investidores interessados na aprovação de empreendimentos imobiliários de médio e alto luxo em Camaçari.

O órgão afirma que representantes de cinco empresas e duas testemunhas prestaram depoimento e confirmaram cobrança de propina pela secretária, entre elas o subsecretário da pasta, José Matos, que pediu exoneração do cargo.

Após a denúncia, a Justiça determinou, ainda em fevereiro deste ano, que Juliana fosse afastada do cargo. No entanto, no início de março, a Justiça derrubou a decisão que afastou Juliana e ela retornou ao cargo. Em seguida, ela foi exonerada, mas não deixou o cargo público, já que atua como assessora especial na gestão de Camaçari.

AVISO LEGAL

Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Observador Independente.

É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros.
O Observador Independente pode até retirar, sem prévia notificação, comentários ofensivos e com xingamentos e que não respeitem os critérios impostos neste aviso, conforme regra estipulada em sua Política de Privacidade.
VOCÊ e mais 12 mil pessoas estão recebendo está matéria via whatsapp por que tem algum contato com umas das nossas três redações. Se não quiser mais receber os alertas, por favor, nos informe.

Paginas