Salvador fomenta intercâmbio entre atores do mercado de tecnologia ao atrair 'nômades' - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

quarta-feira, janeiro 12, 2022

Salvador fomenta intercâmbio entre atores do mercado de tecnologia ao atrair 'nômades'




Bruno Leite/BN


Pensado para atrair profissionais da área de tecnologia e inovação de todo o mundo, Salvador lançou, em novembro do ano passado, o "Nomads Digitais". A proposta, que busca fomentar o ambiente da capital baiana internacionalmente, já teve cerca de 21 pessoas interessadas no roteiro de locais de trabalho colaborativo, bares, restaurantes e hotéis com alta conexão.

"Isso já é bastante massificado no exterior, mas aqui no Brasil ainda não. Até onde eu tenho informações, só o Rio de janeiro tem um programa como o que a gente lançou em novembro", explica o diretor de Inovação da prefeitura de Salvador, Luís Gaban, ao Bahia Notícias.

Intermediados por uma plataforma digital, donos de empreendimentos locais podem conceder benefícios diversos para os visitantes e os "nômades" cadastrados podem usufruir. Dentre as possibilidades está a concessão de descontos para pessoas que façam reservas durante pelo menos 15 dias.

O público-alvo, diz Gaban, é diversificado: "São pessoas que trabalham e não precisam ir à empresa, não precisam estar em uma sede física e podem, por exemplo, trabalhar em Nova Iorque e vir para Salvador".

O diálogo entre o ecossistema soteropolitano proporciona, dentre outras coisas, novas ideias e a movimentação de espaços públicos existentes, como as praças, o Hub Salvador e Colabore - além de outros que estão em desenvolvimento, como o Doca1, no Comércio.

Apesar de ser lançado no final do ano passado, o programa foi pensado alguns meses antes, tudo isso no contexto da pandemia. O cenário, frisou Gaban, é de "competição internacional".

"Com a situação, de ter se consolidado o trabalho remoto, isso facilita muito que bons profissonais da área de teclologia possam ser cooptados por outros países. E isso está acontecendo. Se o poder público não viabilizar situações em que a gente mantenha as boas pessoas aqui e atraia, com incentivos, outros profissionais, podemos passar por um processo de perda intelectual muito grande", finalizou o diretor.

A perspectiva é que o projeto ganhe mais adeptos, tanto de nômades, quanto de estabelecimentos, tornando-o mais robusto. Nesse sentido, a previsão é de que outros atrativos, sobretudo as belezas naturais e o turismo de negócios, funcionem como um incremento.

No site que intermedeia as duas pontas do "Nomads", relatos dos visitantes dão conta da experiência. "Depois de rodar o país do borogodó, junto com a minha família que pulsa comportamento nômade, me encantou demais as possibilidades de criatividade e inovação que Salvador propõe para quem chega", contou Nati Montibeller, fundadora de uma empresa de criatividade.

Uma outra participante do programa, Vanessa Vilela, conta a ideia de trabalhar de qualquer lugar fez com que conhecesse e vivesse diversas cidades, culturas e paisagens. "Estar diariamente perto do que é essencial pra mim, como praias e natureza, com certeza elevou os meus níveis de produtividade e de felicidade. Afinal, quem não trabalha mais feliz acordando em um lugar inspirador?", questionou a profissional.



Foto: Dario G Neto / SEBRAE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->