Como antecipamos, Otto será candidato ao governo e Rui ao Senado; Wagner coordena campanha de Lula - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

quinta-feira, fevereiro 24, 2022

Como antecipamos, Otto será candidato ao governo e Rui ao Senado; Wagner coordena campanha de Lula



Fernando Duarte


“Habemus candidatus”. A fumaça branca foi lançada no Palácio de Ondina e o grupo político que comanda a Bahia chegou a um consenso sobre a chapa majoritária para a corrida eleitoral de 2022: Otto Alencar (PSD) será apresentado como candidato a governador e Rui Costa (PT) tentará uma vaga no Senado. 

A decisão inclui a retirada da candidatura posta de Jaques Wagner (PT) ao governo, com o senador assumindo a coordenação de campanha a presidente de Luiz Inácio Lula da Silva. O anúncio não será formalizado ao longo dos próximos dias - ou até que aconteçam as conversas com lideranças nacionais e locais dos partidos aliados. 

As informações foram confirmadas por pessoas que participam das negociações, desde que em condição de anonimato.

A operação para a mudança de posições da composição envolveu o processo de convencimento de Otto para abandonar a campanha de reeleição ao Senado, após Rui decidir ser candidato ao posto e pressionar Wagner contra a parede. 

O ex-governador, ainda que não tivesse como prioridade voltar ao cargo, havia embarcado no projeto para garantir a manutenção da aliança política. Na metade do mandato como senador, Wagner tinha o conforto do apoio das legendas aliadas, endossado pela própria cúpula petista e pelos deputados federais e estaduais. Todavia, Rui “bagunçou” os planos do grupo.

Até aqui, Otto tem reiterado a candidatura a senador. Todavia, com a articulação do colega de Casa e de partido, Angelo Coronel, houve o entendimento de que era viável a tentativa dele ser candidato ao governo. 

Durante toda a quinta-feira (24), os envolvidos - com exceção de Rui, que cumpre agenda no interior - intensificaram as conversas para aparar as últimas arestas. O caminho é tratado como definitivo, mas ainda depende do aval de dois caciques nacionais: o próprio Lula e o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, que publicamente tratou a candidatura de Otto como uma “punição”. 

É esperada uma "foto" do apertar de mãos entre Kassab e Lula, algo que não perpassa por um apoio dos socialdemocratas ao ex-presidente ainda no primeiro turno, como chegou a circular nos bastidores.

A posição de Wagner foi alterada após o ex-governador ficar exposto pela movimentação feita por Rui ao longo dos últimos dias. O petista não admitirá o desconforto, mas, ao migrar para a campanha de Lula, encontra uma “saída honrosa” para a cama de gato criada pela candidatura de Rui a senador. Ele, inclusive, participa de uma reunião em São Paulo, nesta sexta (25), onde fará a comunicação oficial aos membros do PT nacional.



Foto: Divulgação

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->