É SÓ O QUE FALTAVA ...EUA querem cancelamento de viagem de Bolsonaro à Rússia. Intromissão em assuntos internos do Brasil é abusiva - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

terça-feira, fevereiro 01, 2022

É SÓ O QUE FALTAVA ...EUA querem cancelamento de viagem de Bolsonaro à Rússia. Intromissão em assuntos internos do Brasil é abusiva




Casa Branca teme que encontro entre presidente brasileiro e Vladimir Putin transmita mensagem de que o Brasil apoia Moscou na crise.


Em meio às tensões envolvendo temores de uma invasão da Ucrânia pela Rússia, o governo dos Estados Unidos tem intercedido junto ao brasileiro para que seja cancelada a viagem do presidente Jair Bolsonaro a Moscou programada para meados deste mês, segundo noticiaram veículos da imprensa brasileira.

De acordo com o jornal O Globo, representantes da Casa Branca argumentaram que o momento não é adequado para o encontro entre Bolsonaro e o presidente russo, Vladimir Putin, pois poderia ser interpretado como a tomada de um lado na crise Rússia-Ucrânia pelo Brasil.

Ao jornal, uma fonte do governo brasileiro afirmou que essa não será a mensagem da visita. "Desejamos o entendimento diplomático entre Rússia e Ucrânia, dois países com os quais temos ótimas relações", disse.

De acordo apuração da Folha de S.Paulo e do Poder360, o secretário de Estado americano, Antony Blinken, manifestou preocupações quanto a essa possível mensagem simbólica da visita de Bolsonaro em conversa telefônica com o ministro das Relações Exteriores brasileiro, Carlos França, no último domingo, que informou a Blinken que a viagem de Bolsonaro está mantida e que o Brasil segue a favor de solução diplomática duradoura para as tensões.

Em 10 de janeiro - dias depois de o Brasil assumir uma vaga rotativa no Conselho de Segurança da ONU, com mandato de dois anos -, Blinken havia pedido ao governo Bolsonaro uma reposta "forte e unida" contra as "novas agressões da Rússia" à Ucrânia.

No telefonema deste domingo, além de manifestar apreensão em relação à ida de Bolsonaro a Moscou, Blinken teria pedido que o Brasil votasse nesta segunda a favor da realização de uma reunião no Conselho de Segurança da ONU sobre a situação da Ucrânia - o que o Brasil acabou fazendo.

Na reunião, Ronaldo Costa Filho, embaixador do Brasil na ONU, tentou manter uma posição neutra e apelou ao diálogo entre as partes envolvidas nas atuais tensões em torno da Ucrânia.

"A proibição do uso da força e a resolução pacífica de disputas e o princípio de soberania e integridade territorial e a proteção de direitos humanos são pilares do nosso sistema coletivo de segurança", afirmou.

À Folha, a embaixada americana em Brasília afirmou que "EUA, Brasil e outras nações democráticas têm a responsabilidade de defender os princípios democráticos e proteger a ordem baseada em regras, além de reforçar essa mensagem à Rússia em toda oportunidade".

A viagem de Bolsonaro

Bolsonaro confirmou na última quinta-feira sua viagem a Moscou. Segundo o Palácio do Planalto, a data ainda não está definida, mas a previsão é que o presidente embarque para a Rússia por volta do dia 12 de fevereiro.

De acordo com Bolsonaro, o convite para o encontro veio de Putin, e o objetivo é estreitar os laços e melhorar as relações comerciais entre os dois países. Questionado por um apoiador se o líder russo seria conservador e "gente da gente", Bolsonaro respondeu que ele "é conservador, sim".

A viagem à Rússia deverá ser seguida de uma visita à Hungria, onde Bolsonaro deverá se encontrar com o primeiro-ministro Viktor Orbán, de ultradireita. Nesta terça-feira, Orbán se reunirá com Putin.

A crise Rússia-Ucrânia

Os Estados Unidos e a Otan afirmam que cerca de 100 mil soldados russos estão estacionados junto à fronteira com a Ucrânia, o que gerou temores de uma invasão por Moscou. O Kremlin nega estar planejando uma investida contra o país vizinho e acusa o Ocidente de criar uma "histeria".

O governo do presidente americano, Joe Biden, e países aliados vêm tentando evitar a temida invasão por meio da diplomacia e ameaçaram impor sanções econômicas à Rússia, inclusive diretamente contra Putin.

Apesar das negociações em andamento, Rússia e EUA não conseguiram chegar a nenhum acordo nas últimas semanas para aliviar as tensões.

Embora Moscou afirme que não tenha planos de invadir a Ucrânia, exige que a Otan prometa que não vai permitir a adesão de Kiev à Aliança Atlântica e que reduza sua presença militar na Europa Oriental. Tanto a Casa Branca quanto a Otan recusaram os pedidos, chamando as exigências de "impossíveis".

Nesta terça-feira, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, deve viajar para Kiev para conversar com o presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, que acusa o Ocidente de criar "pânico" e prejudicar a economia de seu país com conversas sobre guerra.


Fonte:::: Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Foto ::: Reprodução  DW / Deutsche Welle

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->