OPINIÃO ✍️ ELEIÇÕES 2022 🏴 Wagner anuncia que não será candidato. Derrota e retrocesso profundo na Bahia em curso pode comprometer eleição de Lula. Pré-candidato, Otto é só fachada! 🏴 - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

terça-feira, março 01, 2022

OPINIÃO ✍️ ELEIÇÕES 2022 🏴 Wagner anuncia que não será candidato. Derrota e retrocesso profundo na Bahia em curso pode comprometer eleição de Lula. Pré-candidato, Otto é só fachada! 🏴


Covarde ou omisso? Senador Jaques Wagner (PT-BA),anunciou que não será candidato ao governo da Bahia e coordenará a campanha de Lula à presidência da republica das bananas.


Ora, pois! Partidários de ACM Neto já dão como certa a vitória nas urnas em outubro e se preparam para a comemoração, com algumas lideranças afirmando já redobrarem esforços na cata de votos, tecnicamente, oito meses antes das eleições.


Naturalmente que é válida a torcida organizada do grupo carlista, principalmente sabendo-se que o cacique ACM Neto, fez um excelente trabalho na capital baiana, e tem o cabedal político e a coragem do avô, o senador Antônio Carlos Magalhães. Neto saiu muito bem avaliado do governo da capital baiana. 


No lado do PT, que é hegemônico no NO/NE, uma derrota na Bahia significa repercussão nacional negativa na candidatura de Lula, principalmente quando começarem a sair as pesquisas verdadeiras e sérias de intenção de voto, que poderão ser desastrosas.


Neste contexto algumas questões chamam a atenção para uma análise mais profunda sobre a desistência do senador baiano Jaques Wagner. E a principal é saber o porquê da desistência de Wagner.


Primeiro, o senador petista ainda tem quatro anos de mandato no Senado Federal . Segundo, o baiano não tem a mínima certeza que levará a melhor, ao enfrentar o concorrente ex-prefeito de Salvador que deixou o governo da capital baiana muito bem avaliado? Derrotado nas urnas, ficará sem nada? Terceiro, será que Wagner não está confiando na base petista no Estado e muito menos na força de Lula?  


Ou simplesmente sabedor que o apoio do PT a um candidato a governador do PSD no quarto estado do país com mais eleitores, serve apenas como um gesto de agrado ao partido presidido por Gilberto Kassab e Lula quer atrair o PSD para a aliança nacional e resolveu não arriscar e largar o certo pelo duvidoso?


O mais tranquilo, como se percebe, é o atual governador Rui Costa (PT-BA) que aparenta não estar nem um pouco preocupado se o seu partido fará ou não a sucessão. Ao que tem demonstrado, a única coisa que lhe interessa é garantir a sua vaga para o Senado e ponto final. De certa forma, lavou as mãos, até porque, Wagner começou a manifestar vontade de desistir de disputar novamente o cargo que ocupou entre 2007 e 2014, há muito tempo. A partir daí, Costa se colocou com pré-candidato ao Senado com o objetivo apenas de reforçar a chapa. É o que está dito nas entrelinhas.


É certo que o eleitor baiano está bem atento a estas questões, e que não gosta de perder, sendo essa uma característica que rendeu dois mandados ao atual governador e lhe garantirá um mandato de Senador pela Bahia. Não por causa do seu partido, o PT, mas, essencialmente, pela sua pessoa e pelo trabalho desenvolvido nestes oito anos em que está à frente do governo. Quem vota em Rui Costa, essencialmente não vota no PT como um todo, não vota no partido e sim na pessoa. É o costume ...


Destaque especial pela coragem que demonstrou ao tomar medidas de contenção da pandemia Covid-19, mesmo contra grupos negacionistas poderosos no estado, e até mesmo pessoas com tendências genocidas, a exemplo dos cantores e puxadores de trios. Esse é um dos pontos cruciais e de sustentação do voto de Rui Costa, a coragem e determinação.


Do outro lado, o que tem a oferecer o Senador Otto Alencar (PSD-BA)? Nada! Absolutamente nada! Cansado de guerra, o idoso senador baiano tem um mandato morno, inexpressivo, papel também exercido pelo filho Otto Alencar Filho (PSD-BA), que eleito deputado federal, não disse ainda a que veio.


Mas é a decisão do PT baiano que o afundará como agremiação politica na Bahia definitivamente por pura burrice dialética, arrastando consigo a única e última chance do maior cacique da história da esquerda no Brasil, o ex-presidente Lula, para o abismo da derrota no final da sua vida política.


Nomes importantes e modernos no cenário político baiano, que poderiam consolidar o partido e seus ideais na Bahia e no NO/NE, a exemplo de Moema Gramacho, prefeita de Laura de Freitas, Luiz Caetano, ex-prefeito de Camaçari, Robson Almeida entre outros, e aliados e caciques de outras legendas, a exemplo do vice-governador João Leão (PP-BA), poderiam manter o partido na linha de frente. Fora disso, é pular no escuro sem saber o tamanho do abismo.


Mas, ao final como o povo/eleitor só pode participar diretamente das decisões no dia da eleição, é torcer para que a decisão que tomará não seja banir o PT da Bahia e apagar nomes importantes do cenário político baiano, consolidando o Brasil não apenas como uma república de bananas, mas também, como uma república de xiitas evangélicos.


É o risco ... e a Bahia e o Brasil que se prepare para viver dias de Irã e do Talibã.


Para saber mais sobre o regime Talibã. AQUI

Para saber mais sobre o regime Talibã. AQUI


Fotos ::: Redação e Ilustrativa / Google

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->