Acusado de assédio sexual, presidente da Caixa tem manutenção de cargo vista como insustentável - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

quarta-feira, junho 29, 2022

Acusado de assédio sexual, presidente da Caixa tem manutenção de cargo vista como insustentável



Interlocutores no Palácio do Planalto dizem que a manutenção de Pedro Guimarães à frente da Caixa Econômica Federal se tornou insustentável em meio a denúncias de assédio sexual envolvendo o executivo. A informação foi publicada, nesta quarta-feira (28/6), pelo jornal Folha de São Paulo.


Ainda de acordo com a publicação, como ele faz parte do conselho da instituição financeira, contudo, sua saída teria de ser via colegiado da Caixa ou por renúncia.

Nesta quinta-feira (28/6), diante da repercussão do caso, ressaltou o jornal, a Caixa cancelou evento que aconteceria na manhã desta quarta (29/6) com a presença de Guimarães. O banco havia programado pronunciamento e uma coletiva de imprensa sobre o Ano Safra 2022/2023.

Integrantes da campanha de Bolsonaro afirmam que, se forem comprovadas as denúncias de assédio contra o presidente da Caixa, ele deve deixar o posto. Aliados do presidente afirmam que ele próprio deve tomar uma atitude. Apesar disso, minimizam o impacto que as denúncias têm sobre o projeto de reeleição.

Acusação revelada pelo portal Metrópoles nesta terça-feira (28/6) afirma que ao menos cinco funcionárias da Caixa acusam Guimarães de assédio sexual.


Acompanhe nossas transmissões ao vivo no www.aratuon.com.br/aovivo. Nos siga no Instagram, Facebook e Twitter. Quer mandar uma denúncia ou sugestão de pauta, mande WhatsApp para (71) 99940 - 7440. Nos insira nos seus grupos!



Credito da foto:divulgação/Palácio do Planalto

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->