Prefeita de Teolândia nega que show de Gusttavo Lima seria para 'realizar um sonho pessoal'. Município tem pouco mais de 15 mil habitantes e pagaria R$ 700 mil por duas horas de show - Observador Independente

Acontecendo

Bem-vindo! Hoje é

segunda-feira, junho 06, 2022

Prefeita de Teolândia nega que show de Gusttavo Lima seria para 'realizar um sonho pessoal'. Município tem pouco mais de 15 mil habitantes e pagaria R$ 700 mil por duas horas de show



Gestora havia afirmado que tinha o sonho de conhecer o sertanejo.


Após o Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspender a decisão que autorizava a realização da “Festa da Banana” na cidade de Teolândia, no baixo-sul da Bahia, a prefeita do município, Rosa Baitinga (PP), negou que o show do cantor Gusttavo Lima serviria para realizar um sonho dela. Na noite do último domingo (5), a gestora municipal fez um discurso no palco onde aconteceriam as apresentações do evento.

Segundo a prefeita, a intenção do evento era minimizar os efeitos causados pela pandemia e pelas chuvas que atingiram a cidade no final de 2021. 

"Jamais pensei em trazer Gustavo Lima, o nosso embaixador, para realizar um sonho meu. Jamais. O sonho que eu tinha era trazer o melhor para vocês, trazer alegria, porque vocês merecem o melhor, mas o entendimento não foi esse",

afirmou, após lamentar o cancelamento do show.

Durante o discurso, Rosa afirmou ainda que a repercussão do caso acabou resvalando na família dela. "Foram dias terríveis lutando com a Justiça, com a ajuda dos nossos amigos, da minha família, principalmente. Meus filhos têm sofrido durante esses dias. Isso eu não queria para eles. Mas Deus sabe de todas as coisas. Eu tinha que passar por esse momento", discursou.

Quando anunciou a festa na semana passada, a prefeita havia afirmado que sempre teve o sonho de conhecer o sertanejo. Gusttavo Lima receberia pela apresentação um cachê de R$704 mil. A prefeitura havia anunciado um custo total de R$1,2 milhão com todo o evento.

No último domingo (5), o Superior Tribunal de Justiça (STJ) suspendeu a decisão que autorizava a realização do evento. A ordem foi assinada pelo presidente do órgão, o ministro Humberto Martins, que destacou o elevado gasto para uma cidade de apenas 20 mil habitantes e que está em situação de emergência por conta da chuva que atingiu a cidade no final de 2021.


Foto ::: Reprodução 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui sua opínião

-->